quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Dinheiro

E então acordaram do sono dogmático e perceberam que era necessário pedir dinheiro aos sectários e simpatizantes para difundir "a boa nova" e suas crenças pessoais a todos os povos.



Qualquer semelhança é mera coincidência.
(outra aqui em 12-11-2010)

Com créditos para a eterna fonte de pérolas®

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Ele pensa sozinho...

... mas a frasezinha patife a seguir é tão parva e repetida por divinos seres que é bem provável que “pensar sozinho” seja apenas um delicioso auto-engano. (ao menos em momentos como o abaixo)



Atentos também a segunda frase "Ateus surgem sempre que minorias lutam[...]", que é extremamente duvidosa ou ao menos complexa demais para ser dita de forma tão simples e genérica.

Vi aqui
(atualização: aos curiosos, balela semelhante foi dita pela vovó do ateísmo brazuca.)
Atualização 22/12/2011: em relação ao comentário do Antônio, assim respondi e fica melhor esclarecida a pérola:

Que o ateu não depende de uma próxima vida para fazer o bem deveria ser (ou é) óbvio.
Cegueira é achar que o religioso precisa de uma próxima vida para fazer o bem nesta vida.

A verdade é que o fator “recompensa ou castigo” é usado quando outros meios persuasivos não foram eficazes, e isso no ensino normativo advindo de qualquer cosmovisão.

sábado, 3 de dezembro de 2011

domingo, 30 de outubro de 2011

A universidade...

Desde que foi expulso do mídia sem máscara por motivos ainda não investigadas por mim, imagino que Janer Cristaldo perdeu sua grande fonte de público.

Há coisas que o Janer escreve que são de fato preciosas, no bom sentido. Críticas agudas e muito bem observadas.

No entanto, há algum tempo tenho notado que o Janer carece de certa capacidade de coerência naquilo que escreve. Ou são críticas-projeções (a crítica que o autor faz aos outros ‘cai como uma luva’ a ele mesmo) ou é um pensamento meio impulsivo, que se chamado para debate ou uma observação mais apurada não consegue ser sustentado coerentemente ou mesmo de forma argumentativamente válida. (prints sobre essas esquisitices posso publicar posteriormente)

Na realidade, muito do que foi escrito no artigo hoje carimbado não passa de estupidez, um desabafo troglodita digno da divindade que muitos ateus atingem hodiernamente.
Mas a grande pérola, a cereja do bolo, o ápice que a cegueira militante estúpida e autoritária poderia atingir foi assim expresso:



Vi aqui

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Enquanto isso, no bar do ateu...



"Mesmo havendo o rigor da Licenciatura em Sociologia, Filosofia ou História, quem nos garante o caráter laico da disciplina e do professor? Quem nos assegura que não será uma educação confessional? Quem sustenta o não proselitismo e o não constrangimento?"

Logo, não há informações suficientes para sustentar que seja um "absurdo" e sobretudo para sustentar que foi "um passo largo para um estado teocrático"

Sem mais.
Vi aqui.

terça-feira, 30 de agosto de 2011

É só desabafo...

Então alguem brincou no fórum dizendo que havia uma pesquisa que mostrava que religiosos são mais inteligentes que ateus, e eis que alguns delinquentes resolveram 'desabafar':







Eu não tenho evidências de que essa gentalha seja atéia - fica o aviso.

E ainda insisto para que os religiosos passem a levar esse tipo de delinquente à justiça.
Vi aqui.

(sim, ainda estou devendo o post sobre o texto tosco publicado por Pedro Almeida. E estou devendo mais um tanto de outras análises.)

domingo, 14 de agosto de 2011

Pedro Almeida, o gênio... ou: como um ateu qualifica certos pensamentos de outros ateus

***Atenção: o texto contém palavras de baixo calão.***

Pedro Almeida é “mestrando em engenharia elétrica pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF)”, é “diretor geral da Liga Humanista Secular do Brasil (LiHS)” e (óbvio) um dos responsáveis pela publicação de pérolas em minha eterna fonte de pérolas®.

Na genialidade de todo ateu de internet, o Pedrinho descobriu que eu comento no site do utensílio doméstico voador. (eterna fonte de pérolas®)
Assim comentei:


Na mesma genialidade típica de ateu de internet, o Pedro assim comentou acerca da minha manifestação:



Em parte o Pedro Almeida está certo, e posso listar alguns motivos:
1 – Este blog é dedicado a publicar pérolas(bostas) atéias
2 – os ateus que aqui comentam (e, portanto, acrescentam palavras no blog) falam majoritariamente pérolas(bostas) para defender as pérolas(bostas).
3 – as pérolas(bostas) são pérolas(bostas) aqui, na China, na Dinamarca e em qualquer buraco que tenha surgido um ateu autor de pérolas. As pérolas (ou bostas, já que assim prefere o Pedro Almeida da LiHS) independem de qualquer cosmovisão.

Aos desavisados vale salientar que este blog não é necessariamente uma bosta: este blog é uma fossa séptica de bosta atéia. (portanto, Pedrinho acerta quando diz “blog de bosta”, se no sentido de ‘blog com bosta’)
Uma das grandes diferenças entre este blog e tantos outros domínios ateus na internet, é que aqui a bosta atéia recebe o tratamento que toda bosta merece receber.
No bule voador, a bosta é tratada como alimento. Aqui ela é tratada como excremento, bosta, estrume, merda, cocô, dejeto, esterco, fezes que é.
E que conste que ainda assim eu prefiro a palavra “pérola”. (mesmo já tendo usado outras palavras)

Agora vamos ao erro do Pedro Almeida, ateu mestrando em engenharia elétrica pela Universidade Federal de Juiz de Fora.
Diz ele: “algum texto aqui publicado seja tosco. Chama-se projeção”
Textos toscos do bule voador que já figuraram neste blog.
O que é filosofia

Kaká é chato

O Papa é chato e eu sou demais

Quero o aborto, e pronto!

Problemas filosóficos

Sobre sua vida íntima

Foque a pessoa (em um domínio-extensão do bule)

Parabéns, meu deus

Como eu era ruim antes do ateísmo!

O Papa é chato e eu sou demais (outra versão)

Falo sobre o que sei, invento sobre o que acho que sei e minto sobre o que não sei

Dos quarenta posts publicados na categoria tragicômico (este é o quadragésimo primeiro), ONZE foram publicados inicialmente na eterna fonte de pérolas®.
Eu não tenho muito tempo para visitar o divino site deles, menos ainda para gastar lendo a coisa racionalmente/argumentativamente parca que é majoritariamente publicada por lá. Que o bule voador tem coisa aproveitável, claro que sim.
Mas tem texto tosco, ou como prefere o Pedro, tem bosta atéia.
Portanto, está PROVADO CABALMENTE que o bule voador publica texto tosco. (ou bosta, como prefere o Pedro Almeida, diretor geral da Lihs)
E se alguém duvida, basta visitar um dos 11 links acima e provar que o texto em destaque não é tosco. *** atualização dia 30/08/2011: é um exagero dizer que "está provado cabalmente" que há texto tosco no bule se apenas levando em consideração os links. Errei. O correto seria dizer que há frases estupendamente toscas para os links em questão, mas não necessariamente o texto tosco (que dá sentido para o entendimento de "texto todo tosco", "do início ao fim tosco"). De qualquer forma, há texto tosco no bule voador (inclusive textos que estão linkados acima - mas os posts não falam sobre o texto todo), e um dos que comentarei em breve é de autoria de Eli Vieira

A sapiência de Pedro Almeida não deve ter permitido que ele notasse que, chamando meu blog de bosta, estaria chamando de bosta coisas que foram publicadas no bule e compartilhadas aqui.
Eu concordo, é bosta atéia, mas eu prefiro chamar de pérola.
Se aquilo que o Pedro fez não foi projeção, foi um baita tiro no próprio pé, uma vez que se eu projetei alguma coisa do meu blog, foi conteúdo sapiencial de ateu divino, inclusive do próprio bule voador. (e agora também coisa do Pedro)

Tadinho do Pedro...

Mas, como sou bondoso com pessoas de determinado nível ou disposição de pensamento, o próximo post será para explicar ao Pedro (e a quem mais necessitar) que o texto em questão é tosco.
Não necessariamente bosta (como prefere Pedro Almeida), mas tosco.

domingo, 24 de julho de 2011

Texto introdutório

Tenho um amigo que tem o costume de vagar pelas bibliotecas em busca de qualquer coisa que chame sua atenção. Como ele conhece meu blog, ao ler um capítulo de um livro acabou lembrando-se do meu trabalho.

O texto será aqui reproduzido e deve ser tomado como uma singela homenagem (também humorística) aos ateus autores de pérolas.
Em verde pequenos acréscimos e em azul as pequenas mudanças feitas por mim.

~~~~~~

A propósito da imbecilidade
Ao dizer à repórter de Le Fígaro Magazine “Il y avait déjà dês imbéciles du temps de l’homme de Neandertal”, Umberto Eco fez uma boutade, uma tirada de fácil entendimento, quando se sabe que o Homo sapiens neanderthalensis habitou a Terra ainda outro dia, entre 230 mil e 30 mil anos antes do presente, e foi contemporâneo daquele que teve o descoco de se intitular Homo sapiens sapiens.

Já se encontraram fósseis do homem de Neandertal na Espanha, Alemanha, frança e Israel. A primeira ossada foi descoberta no Vale do Neander, em 1856. Sabe-se, hoje, a partir de uma flauta esculpida em osso de urso, que o neandertalense gostava de música e conhecia a escala musical básica. Foi o primeiro hominídeo a enterrar os seus mortos, podia chegar a 1,70 m, era de compleição robusta e tinha a testa proeminente, nada muito diferente de alguns H sapiens sapiens testudos que se vêem por aí. Acredita-se que o homem de Neandertal tivesse rudimentos de linguagem e ainda está em discussão se chegou a misturar-se como o homem moderno, cerca de 40 mil anos atrás.

A imbecilidade, qualidade ou estado de imbecil, que não deve ser confundida com retardamento grave, situado entre a idiotia e a debilidade mental, de que fala a psiquiatria clássica, é contudo muito anterior ao Homo sapiens neanderthalensis. Remonta a uma criatura de aparência simiesca que, há 30 milhões de anos, segundo Roger Fouts, começou a aventurar-se para fora das árvores, dando origem aos grandes primatas atuais – chimpanzés, gorilas, orangotangos e nós outros.

Imbecilidade é burrice, estultice, camelice, cretinice, asnice, tolice, processo de estultificação, parvoíce, burriquice – sinonímia extensa, como enorme, gigantesco, fenomenal é o número de estultos. Já na Roma dos césares, ou mesmo antes dela, era sabido que “Stultorum infinitum est numerus” – o número de tolos é infinito.

Este capítulo deveria chamar-se “filogênese da imbecilidade”, não fosse o risco de o substantivo filogênese, “história evolucionaria das espécies”, também merecer a tacha de imbecil. O período de 30 ou 40 milhões de anos passados nas árvores, pelos ancestrais da criatura de aparência simiesca que se aventurou no chão há 30 milhões de anos, pode ter sido muito útil para desenvolver dedos preênseis, visão binocular, crânio que se arredondou e cérebro que aumentou, que permitam ao avozinho do nosso avozinho caçar insetos arbóreos, rãs, lagartos e cobras com perfeita noção de profundidade, proporcionada pela visão binocular, sem correr o risco de se esborrachar num tombo de muitos metros de altura.

A história evolucionária da espécie é a história da sobrevivência dos mais aptos, o que absolutamente não quer dizer que seja a história dos menos imbecis. Até pelo contrário, a mesma imbecilidade que se vê hoje em dia, em todas as esferas, em todos os países de todos os continentes, onde o mínimo que acontece é a milícia talesbã dar com os costado na idade média, sérvios e croatas, judeus e árabes, tutsis e hutus matando-se feito bichos, quando os próprios bichos não têm requintes de crueldade – é tudo conseqüência da imbecilidade generalizada: “la sottise est um Don largement réppandu”(a tolice é um dom largamente difundido), disse Eco na mesma entrevista.

Que dizer dos programas de maior sucesso, aos domingos, em todas as redes de TV aberta? Que dizer das vendas dos livros esotéricos e de auto-ajuda? Que tal a chamada “representação popular”, povo elegendo povo para as câmaras e assembléias? E o fenômeno religioso “lato sensu”? E as barbaridades cometidas em nome das diversas religiões? E os genocídios cometidos pelos materialistas em prol de um mundo melhor? E o farsante “discurso racional” dos ateus?

Roger Fouts pretende que os macacos do velho mundo se tenham apartado do tronco original há 25 milhões de anos, deixando a família dos hominídeos – chimpanzés, humanos, gorilas e orangotangos. Há 15 milhões de anos foi a vez dos orangotangos; depois, apartaram-se os gorilas há 9 milhões de anos, deixando que chimpanzés e humanos caminhassem juntos até 6 milhões de anos atrás, o que explica a identidade de 98,4% de DNA entre os emergentes da Barra e os chimpanzés do zoo do Rio. Já os gorilas se diferenciam, tanto dos humanos como dos chimpanzés, em 2,3% de seu DNA, enquanto o orangotango tem 3,6% de seu DNA diferentes dos humanos e dos chimpanzés: “apesar de todas as aparências exteriores, o parente mais próximo do chimpanzé não é o gorila nem o orangotango, mas o ser humano” conclui o psicólogo que ensinou a chimpanzé Washoe a suar a ASL, linguagem norte-americana de sinais.

Em 1960, quando a etologista britânica Jane Goodall informou a Louis Leakey que os chimpanzés, em estado selvagem, estavam fazendo a usando ferramentas, o antropólogo e arqueólogo coçou a cabeça e caprichou na frase que ficou famosa: “agora teremos que redefinir ferramenta, redefinir homem ou aceitar o chimpanzé como Homem”.

Vivendo em bandos dominados pelo macho-alfa, o mais forte e mais feroz, nossa evolução privilegiou a imbecilidade. Seria a mesma coisa que selecionar, hoje, para doadores das centrais de inseminação artificial humana, os campeões de boxe, ou de uma luta chamada full contact. Machos mais fortes tendem a produzir filhos mais fortes, nunca menos imbecis.

É verdade que Gene Tunney (1898-1978), quando encerrou sua carreira, em 1928, como campeão mundial de boxe, já fazia palestras sobre Shakespeare no circuito universitário americano. Foi só a exceção para confirmar a regra da imbecilidade do macho-alfa.

Assim também como a seleção feita com base no mais bonito e, nem por isso, menos imbecil. As novelas da televisão estão cheias de machos bem-apessoados, com equipamento mental no limiar da oligergasia, que não consta no Aurélio mas é sinônimo de hipofrenia, oligofrenia, debilidade mental. Mesmo enveredando pela nomenclatura psiquiátrica, deu para o leitor entender.
Tartarugas, enguias, atuns, baratas, morcegos e caramujos são casos de adaptação vitoriosa, sem deixar de ser imbecil. O inseto conhecido em inglês como cockroach, do obsoleto cacarootch, derivado do espanhol cucaracha, tem 350 milhões de anos e continua sendo uma barata. Os morcegos têm 60 milhões de anos sem deixar de ser morcegos. E o atum nada a uma velocidade regular de 15 km/h, por um período de tempo indefinido, sem nunca deixar de se mover. Estima-se que um atum de 15 anos tenha viajado 1,6 milhões de quilômetros, o que não exclui o risco de ser transformado em salada, ou pasta de atum.

Este blog é uma recolhença, não de produtos agrícolas, mas uma colheita das tolices publicadas por ateus no dia a dia em seus sites, blogs e demais meios de comunicação.

~~~~

REIS, Eduardo Almeida. Burrice emocional. Rio de Janeiro, Espaço e Tempo, 1998. (cap. 1 - adaptado)

domingo, 26 de junho de 2011

Mas é cada um...



Se os familiares religiosos do Saulo são mal educados e por isso o Saulo expressa assim("e respeito é uma virtude que gente religiosa não conhece"), o problema é deles. (afinal, no mesmo parágrafo ele reclama da ação dos familiares religiosos que ele possui e depois solta uma puta generalização-pérola dizendo que os religiosos não sabem o que é educação).
Mas se for o caso de a bancada evangélica no congresso não saber o que é respeito, então o problema é nosso, mas ainda assim não justifica a generalização do Saulo.
O "Sauloxicão" não precisa ficar preocupado, a realidade está aí e qualquer ser racional tem o conhecimento de que muitos religiosos sabem o que é respeito, portanto, Saulo faz uma generalização descabida, falaciosa.

Pois bem, não bastasse a pérola apontada acima, tem outra:


Eu vou falar uma coisa que deve ser difícil para certo tipo de gente entender, mas a coisa é séria:
Não interessa em que os religiosos de cada religião acreditam, isso não nos dá o direito de dizer que são mentalmente doentes, ou que não são mentalmente saudáveis (se é que há diferença entre as assertivas).
Outra coisa interessa lembrar: o diploma que Saulo conseguirá ao final do curso superior que faz não dá aval para diagnosticar se alguém está ou não mentalmente saudável.
De fato, nem outros ateus mais gabaritados para tal diagnóstico possuem a indecência de falar isso dos religiosos (generalizando).
E aproveitando a questão do respeito (primeiro print), o Saulo sabe muito bem o que é respeito, não é?

A melhor razão que sempre encontrei para explicar o fato de os religiosos não meterem um processo em gente que os discrimina e age preconceituosamente contra eles (assim como o Saulo Gonçalves fez) é a questão financeira. Mesmo o processo judicial sendo moroso, só o fato desse tipo de gente saber que não é possível falar merda sem que sofra as devidas e legais conseqüências já é um bom caminho.

Vi aqui e aqui.
==
Este post é um anexo de uma resposta ao Saulo.
Outro post será publicado posteriormente.

quinta-feira, 23 de junho de 2011

O deus que o ateu queria ter...

... é um deus pra vagabundos.

Fico pensando o quanto de estudo e reflexão é necessário para um ateu crer num deus assim.
Faz sentido que seja impossível crer.
Já o espantalho criado pelo ateu, a gente releva. (ironia)

(link)
Sem fé: No fundo, nem eles acreditam: "por Sauloxicão Q ue o papa anda sempre em um carro blindado e cercado de seguranças, não é novidade pra ninguém. Mas na prática isto não é ..."

sexta-feira, 17 de junho de 2011

Alienação marxista

Não há palavras melhores para designar asceses marxistas: alienação, delírio, esquizofrenia...



Uma pessoa que enxerga as coisas dessa forma não consegue viver pregando suas lorotas em outro lugar que não seja nas loucademias brasileiras ou algum blog fundo de quintal.

O mais incrível – e aí está uma das razões de meu agnosticismo – é que as provas ou fundamentações de tais loucuras marxistas são tão (ou mais) frágeis que um bocado de coisas de certas religiões. E mesmo existindo motivos sérios para desconsiderar tal visão mística, os religiosos marxistas insistem em sua peculiar visão como chave para a salvação para a humanidade.
Falar bonito, quem sabe, talvez seja a única benesse de ser assim marxista, sistema falido desde muito antes da queda do muro de Berlim.
Tudo bem que o marxismo deu lá suas contribuições – e está enganado o ateu que pensa que estou falando das chacinas e genocídios de opositores e religiosos, mas seu tempo já passou.

A lukretia acabou por mostrar às pessoas o motivo dos marxistas perseguirem e matarem a torto e a direito os religiosos: essa maldita ordem capitalismo-explorador-desumano de família heterossexual e monogâmica só subsiste por causa da religião.
Como essa ordem é má, podre, prejudicial, retrógrada, etc, estamos autorizados (senão obrigados) a usar de todos os meios necessários para acabar com esse maldito escudo que protege tal ordem: a religião!
E ANÁTEMA SEJAM TODOS EM CONTRÁRIO!!

O discurso de marxistas assim, apesar de louco, é uma dádiva se comparado com o potencial de loucuras no agir, que sirvam de testemunhas os fatos históricos.

Vi aqui.
==
Pérola também é o querer encerrar tudo em linguagem.
Aliás, apenas para coisas dos ‘crentes’, pois qualquer outra lorota marxista não pode ser apenas linguagem, possui um indubitável estatuto ontológico, puromundo, própriomundo.
E ANÁTEMA SEJAM TODOS EM CONTRÁRIO!!

===
ps: infelizmente(?) lukretia foi mais rápida e deletou o blog dela antes da conclusão deste post. No entanto, sempre que alguém quiser ler suas "sábias" palavras basta ir ao (por muitas vezes) puteiro de comentários no blog do Paulo.

terça-feira, 14 de junho de 2011

Mais da eterna

E aproveitando novamente a deixa da minha eterna fonte de pérolas®, linko aqui um texto escrito por Jairo Felipe mostrando as mentiras factuais e empíricas de um texto também escrito pela Rayssa Gon na eterna fonte de pérolas®.

(eu achei que o Jairo foi passional demais em alguns momentos do texto. Deve ser pelo fato da Rayssa Gon ter mentido ou escondido dados (aparentemente) descaradamente... quem sabe foi só mais um texto sem um mínimo domínio do assunto.)

Mentiras do Bule Voador sobre a Descriminalização do Aborto em Portugal

ps: caso alguém não tenha notado, o ponto que estou chamando a atenção não é sobre "assassinato" ou não de um ser humano (ou não), mas sobre mentiras factuais.

domingo, 12 de junho de 2011

Ela

Aproveitando a deixa do post anterior da minha eterna fonte de pérolas®, quero mostrar a todos um exemplo da interpretação fantástica, delirante e fantasmagórica de ateu.
A Rayssa Gon deu uma de colunista e tentou comentar uma matéria sobre a visita do bicho papão dos ateus, ops, do Papa à Croácia. (sim, quem não acompanha o Papa tem garantia de saber o que ele faz através de qualquer site ateu de meia tigela)

A primeira coisa que eu quero lembrar para a coitada da atéia é que o Papa, na ocasião, estava falando a um grupo presentes na cerimônia (missa), e que esse grupo é cristão católico.
Portanto, o Papa não estava errado em uma vírgula sequer do que ele disse, segundo a cosmovisão cristã. (Papa, cristianismo... entenderam ou é preciso desenhar?)
Vamos então às pérolas:



Não sei o que é mais burrice: acusar de visão acientífica ou de anti-humanitária o fato do Papa ser contra o aborto.
Acientífico onde, filhota? Vá estudar.
Anti-humanitária? Sem dúvida falta muita, mas muita elucubração para acusar o Papa de anti-humanitário só por reprovar o aborto. Quem sabe a atéia comece lendo o link acima para entender o como a bendita ciência tem certeza absoluta (ironia) do início da vida humana?

E tem mais bosta: “único e preconceituoso conceito de família”.
Vimos acima que a Rayssinha está aplicando um “único e preconceituoso conceito de humanitário”. Hehehe (incrível como esse povo se enforca, se chafurda na própria lorota)
Mas vamos lá: o Papa, querida sapiencial atéia, está sim aplicando um único conceito de família, que é o conceito cristão e tradicional. (Papa, cristianismo, cristãos... entendeu ou é preciso desenhar?). Se a Rayssa acha preconceituoso, terá que elucubrar mais...
E digo mais: quem conseguir provar que é preconceituoso ganhará a ninharia de 150 reais na conta bancária.
Topa?

Vi aqui.

==
Com relação a esse tipo de estupidez atéia (necessidade e gosto pelas palavras do Papa), gostaria de lembrar a todos os ateus de quinta que o Papa não é ateu, nem materialista, nem niilista, etc.
Ele é cristão católico.
Mas como????!!!!! Hahahaha


sábado, 11 de junho de 2011

O Ateu é o Enganador

O Ateu e o Enganado.

Prestem atenção no conteúdo do link acima; é ou não é no jeito daquelas musiquinhas de MCs que fazem de tudo só para ter rima?
É o nível do ateísmo de internet.
Cortesia da enterna fonte de pérolas®, que garimpou lá no Diludido.

(Não é incrível como minha eterna fonte de pérolas® consegue propagar bobagens?)

==
Calma Yuri, nem duas mil pessoas curtiram a liga no facebook.
Não propagam tanto. hehehe

sábado, 21 de maio de 2011

Potiguar

Daniel Menezes não resistiu e foi à luta armado com... pérolas!
A felicidade dele foi ter produzido um pequeno post e assim evitou mais ‘nonsenses verborrágicas’ aos navegantes.

Como tenho observado, a “manifestação” parece ser aquilo que mais sustenta certos escritos ateus na internet. A liberdade é de todos, e estou incluso no todo.
Portanto, não estou interessado se o que fazem é puro fruto da liberdade de expressão (e por isso, como podem pensar alguns, livre de racionalidade e não passível de crítica), caiu na rede é peixe, pérola é pérola.




O primeiro parágrafo do print:
“(...) a pergunta “deus existe?!” já se encontra completamente viciada, pois tem a intenção em lançar dúvida sobre algo que a gente não tem (...)parâmetro para questionar”
Não temos parâmetros para questionar? Então o ateísmo nunca questionou a existência de Deus, apenas afirmou pela livre e espontânea natureza instintiva subjetiva que Deus não existe?
De fato o Daniel está tratando de algo muito subjetivo, pessoal. Quem sabe ele acaba encontrando o unicórnio cor de rosa...

O segundo parágrafo do print...Pqp!!
“A gente faz tal tipo de pergunta porque nós fomos condicionados,”

Assim escreveu o deus onisciente, Daniel Menezes, para a Carta Potiguar.

quarta-feira, 11 de maio de 2011

O pedagogo

Prestem atenção na doutrina desse divino estudante de pedagogia, o sr. Saulo Gonçalves da Silva Filho (o “Sauloxicão”).



Para contextualizar, no print acima ele vocifera que "Deus" é o nome utilizado para justificar TODO tipo de preconceito.
Abaixo, mais loucura:





Sim, pessoas que vivem fora da realidade podem ser os futuros responsáveis pela educação de nossas crianças.
Lamentável.

Vamos pelo lado bom, talvez as crendices individuais não influencie em nada no comportamento ou ensinamentos que tais pessoas transmitirão às crianças.
Agora, que o Saulo escreveu baboseira (prints), impossível duvidar. (e se duvida, comente)
Vi aqui

domingo, 17 de abril de 2011

Voou

Vejam só o que a sábia vovó do ateísmo brasileiro (Åsa Heuser) escreveu:


A visão que Åsa apresenta é de fato assustadora. Se ela ou conhecidos dela tiveram que deixar de crer em deuses, fenômenos sobrenaturais, alma e vida pós-morte para dar atenção e bom trato às pessoas que amam, acaba por mostrar um grave defeito na formação dada pelos seus responsáveis e o mau caráter de tais pessoas que necessitaram do ateísmo para passar a "dar atenção aos amados".

Atualização dia 01/05/2011

Para melhor entendimento, ler meu comentário do dia 30/04/2011 12:09 em resposta ao Leandro Correia.


Mas como essa não é a normalidade, tenho que dizer:
O dia que eu deixar de ver religiosos tratando bem “as pessoas que amam” “enquanto estão aqui conosco”, juro que fecho este blog (não sem antes fazer um post de desagravo/desculpa aos ateus ordinários), tiro todo o dinheiro da minha conta-poupança e ofereço tudo à minha eterna fonte de pérolas® (ou outro grupinho com semelhantes ideias geniais).
Estou falando sério.

sábado, 9 de abril de 2011

Totalitarismo

Não é novidade que queiram regular os mais diversos aspectos da vida do indivíduo - os ateus que acham que isso é exclusividade dos religiosos são apenas hipócritas, cegos e loucos.

Pois bem, não basta querer mandar na vida dos indivíduos, é necessário cuidar para que a sociedade adote determinadas posturas mesmo em detrimento com liberdades até então inalienáveis - em outras palavras, um regime totalitário.





Por sorte, isso é coisa do "velho mundo". Não chegará ao Brasil.
Assim espero.

segunda-feira, 4 de abril de 2011

Conversão

Acho testemunhos pessoais sempre comoventes. Cada um a seu modo.

Há elementos na subjetividade – de conversões, “desconversões” e demais experiências – que de fato só a pessoa que passou por aquilo pode versar sobre a persuasão de tais elementos. (muito embora não ultrapassando um nível subjetivo)

Mesmo assim, a experiência não garante a racionalidade do discurso, menos ainda a persuasão.
E se até pontos objetivos não são capazes de garantir a adesão/convencimento ou determinado comportamento de outros, é muita inocência e presunção (para não dizer estupidez) achar que pontos subjetivos garantirão a adesão ou determinado comportamento de outros. (a menos que os outros estejam no mesmo grau de [in]capacidade crítica)

Gostaria que dessem uma olhada no print a seguir:


(clique para ampliar)

Vejamos a sequência da narração:
1 fulano tinha uma fé inquestionável
2 fulano virou ateu
3 fulano não vai abraçar a fé inquestionável novamente

Agora eu pergunto: como fulano (inicialmente crente) fez para virar ateu sem questionar a “fé inquestionável”?
Amnésia? Ou o fulano é um ateu que conserva a fé inquestionável de seus tempos de ‘crente’?

-

Não são incríveis as metamorfoses que vemos em nossos dias?!
E que conste que essa é a “razão” que o ateu Robson Fernando de Souza não quer deixar de lado.
Uma pena...

Vi aqui.
(atualizado 04/04/2012 post aqui)
==
Senhoras e senhores, atentos ao jargão “fé inquestionável”.
Não há nada verdadeiramente inquestionável, independentemente da crença.


domingo, 27 de março de 2011

Aniversário

Primeiramente parabenizo Dawkins pelo seu 70º aniversário.
===
O povo da minha eterna fonte de pérolas® deu uma baita ajuda (de novo) para a publicação de material.

Basta clicar no link e uma nova página será aberta com uma imagem. (estou com preguiça de ficar copiando e colando fotos)
Os comentários ficarão por aqui mesmo.

Imagem 1
Concordo. Graças a Dawkins algumas pessoas (em especial os teístas) pegaram no batente e resolveram estudar e fazer um upgrade teórico/argumentativo, deixando de lado aquele doce conforto.
Devemos de fato agradecer as falácias de Dawkins.

Imagem 2
Concordo.
Outra coisa importantíssima a ser aprendida pelos humanos (sobretudo certos ateus) é que o ser humano é um lixo.
Essa é uma lição muito dura para certo tipo de gentalha.

Imagem 3
Tem gente que de fato confunde.
Mas com um pouquinho mais de estudo percebem que a primeira (ideologia atéia de Dawkins) é embasada por falácias, e a segunda (ciência propagada por Dawkins, ao menos a do último livro) é mistura de ciência com cientismo.
Ufa! Poderia ser pior.

Imagem 4
Mas que lixo! O cara “acha” que quer!!
Kkkkkk
E depois vem com a certeza: de que a moralidade que ele segue (ou finge seguir em alguns aspectos) não é pensada, argumentada, discutida.
Que lixo!
Vá estudar filosofia moral para evitar falar merda!

Imagem 5
Si!! En Brasil llamanos esto de “puxa saco”, “tira leite”, “chupa caldo”, “corta jaca”, “baba ovo”, hasta “ídolo”. Puede ser ‘papá Dawkins y su hijos’ también.

Imagem 6
Essa foi avassaladora!
Tenho um presente de troco: “Crianças atéias não existem! Existem crianças com pais ateus!”
Rá!!

Imagem 7
Sim, mostra que muitos brasileiros estão sem vergonha. (ops, ficou ambíguo. rsrs)

sábado, 19 de março de 2011

O manual

Encontrei o manual, a enciclopédia, o livro chave que as divinas criaturas atéias usam nos estudos sobre religiões.



Senhoras e senhores, está explicada a tamanha burrice de certas pessoas quando o assunto é religião.
Esse vídeo NÃO é uma piada. (post original)

Agora, levando em consideração o que está na categoria Tragicômico pergunto: você acha que os livros sobre outros assuntos (ex.: filosofia, história) são muito diferentes desse livro sobre religiões????

==
Espero que o problema esteja de fato nos livros, mas está??

domingo, 13 de março de 2011

Sucinto

Estou com preguiça de atualizar o blog.
Mas acabei encontrando tamanha burrice que não pude resistir.


Percebem que não é necessário ‘ser prolixo’ para escrever grande b*sta?

terça-feira, 1 de março de 2011

Ad hominem

"Ataques pessoais (argumentum ad hominem)

Ataca-se pessoa que apresentou um argumento e não o argumento que apresentou. A falácia ad hominem assume muitas formas. Ataca, por exemplo, o carácter, a nacionalidade, a raça ou a religião da pessoa. Em outros casos, a falácia sugere que a pessoa, por ter algo tem algo a ganhar com o argumento, é movida pelo interesse. A pessoa pode ainda ser atacada por associação ou pelas suas companhias. "
FONTE: http://criticanarede.com



Porque minha eterna fonte de pérolas® precisa de (mais) um local para escrever merda.

===

Se alguém quiser discutir as divinas alegações esteja à vontade. Não é por não gostar de muita coisa do trabalho do Luciano que deixarei de exigir provas ou uma melhor fundamentação das acusações. (e mais do que isso, espero uma contra-argumentação principalmente no caso da abordagem de “revolucionários” feita pelo Luciano.¹)
O ateuzinho escreve com tamanha propriedade que faço questão de discutir.
A onisciência não é gratuita. rs

1 - Interesse pessoal, afinal de contas, eu não tenho fortes argumentos contrários (que levem em consideração o sentido de direita e conservador adotado por Luciano) e seria interessante ter algum.

O blog pela web

Alguns esclarecimentos:

Luciano Ayan publicou em seu blog um post e citou meu blog.
Nada tenho com Luciano, não gosto e/ou não concordo com certas coisas que ele escreve por lá. Espero que ele, teísta, tenha notado que sou agnóstico descrente antes de citar meu blog no texto do blog dele.

Ainda tento juntar força, coragem e ânimo para comentar no blog dele, discutir algumas coisas. Suponho que o resultado de qualquer discussão que eu inicie por lá termine com a mesma conclusão: ele está tratando de como os ateus bitolados*, mentirosos* e burros* (neo-ateus) tratam da coisa e eu tratando da coisa de fato.

Ao final das contas (e eu assumo isso), eu estaria fugindo do escopo do blog dele, que não é necessariamente discutir as coisas mas o comportamento, atitudes e argumentos dos “neo-ateus.”

Paulo Júnio, do teísmo.net, publicou o mesmo post de Luciano e ainda colocou meu blog na lista de blogs (de certa forma) indicados.

Faço questão de reforçar que eu não tenho qualquer intenção de defender coisas sob o ponto de vista da existência de Deus ou mesmo religioso. No entanto, reservo o direito de (quando julgar necessário) usar teorias religiosas para mostrar (ou dar) a complexidade do tema. Mesmo assim, perceberão os internautas que não dependo (e ninguém depende) de qualquer cosmovisão para mostrar a maioria dos erros dos ateus por aqui postados.

Tendo em vista meu modus operandi (nada ortodoxo) e meu agnosticismo, não sei até que ponto é benéfico (ou até ético) teístas citarem meu trabalho.

Mas isso é problema deles.

===
*Duvida? Os adjetivos não servem?
O passeio pela galeria de pérolas é aberto a todos. Bom proveito!
===
Esse post é também um esclarecimento/posicionamento em relação a um determinado aspecto do próximo post (acima).

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Criança adestrada

Apenas para fazer um contrapeso a um post do bar do ateu.
Afinal, crianças também podem ser adestradas com merda* atéia. (ou, como dizem, "anti religiosa")




==
Reconheço, claro, que em menor quantidade.
Afinal, ateus e agnósticos são poucos. (em relação aos religiosos)
*Alguém quer (ou consegue) defender racionalmente tudo o que foi dito pela criança?

sábado, 19 de fevereiro de 2011

Neo-Ateísmo, a Cientologia Ateísta ?

Hipocrisia (ou falta de auto crítica) é a alma da propaganda, ops, da teoria dos doutos ateus de internet.
O Jairo fez um excelente texto sobre certo tipo de ateísmo tendo como base a análise que doutos ateus fizeram acerca de uma determinada "religião".
Diversão para o final de semana!

Neo-Ateísmo Português: Neo-Ateísmo, a Cientologia Ateísta ?: "No Diário Ateísta tentou-se demonstrar que a Cientologia é a pior religião do mundo. A tese é a de que ela agrega tudo o que de pior há nas ..."

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Silêncio

Walter Hupsel escreveu pedindo um estado ateu.

O motivo é simples: a ICAR ou membros eclesiásticos não podem cobrar nada dos governantes.

Pergunto se a estes membros é vetada pela constituição a cobrança aos representantes democraticamente eleitos.

Pergunto também se a constituição veta que instituições religiosas cobrem algo do governo.

(Pior do que isso, e me corrijam se eu estiver errado: qualquer instituição poderia cobrar do governo, numa entrevista para um jornal, regalias de interesse para a própria instituição, e isso é garantido pela liberdade de expressão [uma loucura livre para ser exercida]. Simultaneamente, a constituição nega favorecimentos a qualquer instituição religiosa)

O que foi publicado é uma entrevista.

Não obstante, ele tenta fundamentar a patacoada.

Vejamos a justificativa dele: “Entretanto, em se tratando de autoridades eclesiásticas, suas opiniões devem ser vistas como da instituição Igreja Católica, e não do fulano A ou B”

Até onde sei (e Walter faz questão de esquecer ou desprezar para elaborar seu texto), opiniões oficiais da instituição ICAR são emitidas após congressos ou reuniões, com documentos escritos, timbrados e assinados. Em nível mundial o Vaticano e nacional a CNBB.

Mas vale dizer, antes de tudo, que é totalmente discutível o termo “opiniões oficiais”, o certo seria “posição”.

Isso simplesmente porque opiniões de membros da ICAR tivemos aos montes durante as eleições e, adivinhe Sr. Walter, contraditórias entre si!! Se uns pediam para votar na Dilma por motivos A B e C, outros pediam para votar na oposição por motivos X Y e Z.

E pergunto: qual foi a posição oficial da ICAR? Qual foi a “opinião oficial”?? A do bispo X ou bispo Y??

Como esse divino articulista (Walter) resolve esse abacaxi?

Não resolve!

Ou melhor: a suprema autoridade eclesiástica no Brasil, Walter Hupsel, decidiu por uma “opinião oficial” da ICAR.

Afinal, o importante é que haja um pretexto para escrever um "artigo".

===

ps: pelo menos Walter teve a decência de pedir um estado ateu e não um estado laico, coisa que muito besta confunde.

domingo, 13 de fevereiro de 2011

Só mais uma brincadeira

Sei que a maioria (atéia) que ver o print abaixo dirá "foi só uma piada maldosa", "não existe humor a favor", "em nada reflete o desejo real da pessoa".

Não tenho os poderes especiais de Freud, portanto, os benefícios supracitados são válidos.
De qualquer maneira estou sempre atento às formas de expressão.
Por isso, o print:


Créditos para Wagner Kirmse Caldas.

===
Aqui encontrei um release básico do filme. Caso queira assistir.

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

O sexo é deles

A minha eterna fonte de pérolas® deu um passo a mais no controle/intrometimento na vida íntima dos outros.
Em um texto, Eduardo Soares diz que virgindade é uma “estupidez a troco de nada”.

Eu bem que reli o texto em busca de argumentos para a afirmação do título, mas o texto é demasiado subjetivo, emotivo e vago para que bons argumentos sejam encontrados por lá.

Tal a quantidade de falhas lógicas e argumentativas que o classifico como um “texto pérola”.[1]

Separei apenas a pérola final.

(clique para ampliar)

Senhoras, senhoritas e senhores, é isso aí!
Não basta ser contra religião ou contra o fato delas terem lá suas crenças e recomendações (prescrições se preferirem) acerca do comportamento sexual, é preciso seguir a prescrição (ler o post) que a minha eterna fonte de pérolas® faz, do contrário seria “estupidez, burrice” e prova de que você não possui sequer “um resquício de bom senso”.

Ao passo que nos religiosos temos possíveis punições (uma vez que não afirmam que tais punições irão de fato acontecer, pois além do fator “arrependimento pelo pecado e misericórdia divina” não dão garantia da vontade divina); na minha eterna fonte de pérolas® Eduardo Patriota esclarece que o castigo já está definido e muito bem expresso: você será motivo de chacota.

===
[1]Para aqueles que quiserem mais detalhes sobre as lorotas do texto desse ateu de internet, basta dizer o nº do parágrafo que gostaria de ver destrinchado que eu destrincho.
Mas vale dizer que considero o artigo demasiadamente subjetivo para ser digno de tal ato. (oferta válida até o dia 01/03/2011)

==
Você leu a lorota e considera minha opinião errada?
Vamos discutir. Comente!

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Tara...

...vício, necessidade mórbida, doentia, compulsiva, impulsiva...

O comportamento de pessoas porcas é por essas coisas regrado.

Numa recente audiência do papa Bento XVI, um garoto furou a segurança e foi ao encontro do papa.
Virou notícia e, como de costume, os doentes de plantão não deixaram de tecer seus fabulosos comentários acerca do fato.

Eu não chamaria a atenção se não houvesse outros delinquentes que votassem como positivo os sapienciais comentários.

(clique para ampliar)
Isso mostra a necessidade de algo.
Inicialmente, um tratamento psiquiátrico. Pesado.

Os que quiserem acessar o vídeo e testemunhar a vagabundagem, delinqüência, imbecilidade e miséria dos comentários dessa gentalha “ao vivo e em cores”, eis o link.

===
Achou ruim ou pesado esse post?
Por favor, comente. Estou louco para discutir a sapiência de tal atitude.