sábado, 23 de junho de 2012

Pangaio científico

Que tem gente que adora falar do que não sabe, é óbvio. Quesito que parece imprescindível quando é um ateu que está a falar da crença alheia.

Quando o "new kid on the block", Eduardo de Jesus Oliveira, estreou na blogosfera parecia claro que fantasmas, preconceito e ignorância (em sentido de não saber patavina) poderia ser a tonalidade que posts sobre determinados assuntos tomariam.
O professor da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) em seu bom mocismo de sábio ativista internético, escreveu um texto sobre o Silas Malafaia, padre Paulo Ricardo, a ICAR, e outras coisas.
Num único post, o sapiente professor universitário Eduardo conseguiu algumas tontices, dentre elas:
Dizer que Silas prega a homofobia.
Que o temperamento 'colérico' de Silas é abertamente preconceituoso.




Para além do fato de quem ser contra determinadas questões e campanhas sexuais serem tachados de homofóbicos e preconceituosos – rótulos sempre lembrados por seres onisapientes – o “new kid on the block" ainda teve o descoco de estender sua crítica a outro expoente religioso, pois pouca bobagem é coisa de pobre iletrado.



Vou tentar escrever algo sobre o restante, quando ele fala do Padre Paulo Ricardo, a ICAR e outros membros.
Eduardo apenas reclama da atitude do padre Paulo. Reclamar é ato comum de quem não consegue fundamentar uma crítica razoável, ou... não entende do assunto!
Desde quando o tal padre prega a interpretação literal da bíblia? Desde quando a ICAR prega a interpretação literal da bíblia? Pois vou além: na ICAR, o fundamento da posição contrária ao homossexualismo é realmente dependente da interpretação literal da bíblia?

E como mentir uma vez não é o suficiente, o grande professor universitário repete sua mentira sobre literalidade descaradamente ao longo do texto auto-ajuda.
Isso sem falar que ele não tem um pingo de autoridade ou mesmo, como fica evidente, conhecimento para dizer como se deve portar um cristão.
Bater em espantalho é fácil, e é exatamente isso que Eduardo de Jesus Oliveira faz: cria um espantalho, enche o texto de palavras e frases de efeito, e ainda tem a 'sem vergonhice' de dizer que a bíblia é considerada pela ICAR (a verdadeira ICAR, não a “progressista”) a “palavra final em termos de ética e moral”.

Alegremo-nos! Eduardo de Jesus Oliveira, professor na Universidade Federal da Paraíba, não dá aula de filosofia ou ciências humanas. Então essas tosquices talvez sejam ditas apenas naquele blog e em rodinhas de conversa pseudo-intelectuais.

***
Para encerrar, cenas da última batalha perdida pela “gaystapo” (hehehe), contra o “paladino” Silas Malafaia.
Ótimos vídeos! hehehe.



E este aqui, após a decisão do juiz. Coloque o vídeo a partir dos 49 minutos e 24 segundos.

9 comentários:

Antônio disse...

Voce realmente acha que se a bíblia nao dissesse que homossexualismo é pecado a resistencia cristã seria tão grande em relaçao a isso?
Mesmo que existam outros argumentos filosóficos ou teológicos eles partem da premissa bíblica - um típico caso da adequação indutiva a aquilo que precisa, só pq foi 'dito por Deus'

Yuri S. C. disse...

Eu até pensei nisso, mas acabei caindo em outros erros.
Amanhã eu respondo apontando, ok?

Euclides F. Santeiro Filho disse...

Desculpe-me, Antônio, mas acho que você trocou as bolas. É exatamente o contrário. A coisa não é considerada errada (gerando uma resistência cristã) porque é pecado, mas é considerada pecado porque é errada (leia-se errada conforme os ditames morais Abraâmicos).

Oras, são a teologia e a filosofia que fundamentam a concepção de algo como pecado, errado, mal, enfim. É a própria dinâmica da moralidade.

E não entendi a parte do "adequação indutiva". Se você ou qualquer um disser que algo não é pecado isso seria uma adequação indutiva de suas concepções particulares? Ou deveríamos tomar os decretos morais não absolutos como verdades? Ou seja, só porque foi "dito por um homem" vale?

Yuri S. C. disse...

Bem lembrado, Euclides.
A confusão geral, como a feita pelo Antõnio, é achar que só é considerado errado porque a biblia diz que é.
Existe outros meios para se chegar a tal conclusão, e para chegar a tantas outras conclusões concordantes com partes do levítico; assim como o próprio cristianismo chegar a conclusões opostas ao que está no levítico.
No fundo, o professor e outros apenas demonstram falta de conhecimento e disposição para tratar da questão que, no auge de sua sapiência, consideram certa e sem carência de revisão ou aprofundamento.

Morgoth Bauglir disse...

Oh My Zeus, essa história do Silas Malafaia (o eterno paladino da Bíblia de 900,00 reais) e os gays (coitadinhos, qualquer coisa agora é homofobia) já está enchendo o saco.

Como bissexual me envergonho do que o movimento GLBTXYZ (Dragon Cannon com 2800 de atk ---isso ta certo? ---) anda fazendo, e pensar que á alguns anos nós só queríamos viver nossa vida em paz.

Veja a linda peróla retirada do site do Paulo Lopes.

Israel Chaves27 de junho de 2012 13:46
Lógica atéia é meio redundante.
Não há lógica em religiões, então a lógica já é atéia por natureza, por assim dizer.

Eru Ilúvatar se envergonha por ter criado a raça dos homens.

rebeldiametafisica disse...

Completamente off-topic, mas dê uma olhada nisso aqui: http://rodopiou.wordpress.com/2012/02/12/pessoas-de-esquerda-sao-mais-inteligentes-que-as-de-direita-aponta-estudo/#comment-466
Coloque o cursor do mouse sobre o nick e veja para onde o link aponta. Foi isso o que eu vi ao passar o cursor sobre o nick do Investigador de Ateus no comentário lá do LucianoAyan. O que isso te sugere? E observe que esse Marcelo Rizzo é um dos comentaristas mais acríticos bajuladores lá no Ayan.

Yuri S. C. disse...

Morgoth
Em paz é praticamente impossível de se viver, mas concordo que essas coisas pioram as coisas.

O site do Paulo é um lixo e ele é um aproveitador que ganha dinheiro com o trabalho de outros jornalistas.
Comentários lá sempre foi sinônimo de pérolas

Yuri S. C. disse...

Gilmar (se é que é o Gilmar),
só aprovei esse comentários pq não quero falar sozinho aqui.
Qualquer um pode fazer isso, ou seja, linkar o endereço de web que bem entender, inclusive o site do pudim.
Eu bem que gostaria de comentar (escrever um post) sobre algumas posições do Luciano, mas o post seria demasiado grande e um pouco fora do escopo deste blog.

Eu também poderia falar dessa sua querela toda especial com o Luciano, mas para ser justo teria que falar não apenas de você mas também do Luciano e, como já disse, seria um post grande que demandaria alugm tempo (coisa que não possuo).

No entanto, deixarei algum comentário sincero em seu site, pq no geral essa coisa toda mais prejudica você.

Morgoth Bauglir disse...

Que isso! Eu posto comentários lá algumas vezes, o problema é que o blog é infestado de pessoas que extravasam seus demônios internos.